WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
Como podemos te ajudar?
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Bioquímica urinária. O que é e para que serve na patologia clínica veterinária?

A bioquímica urinária permite mensurar a presença de eletrólitos na urina, tendo em vista que os rins também são responsáveis pelo equilíbrio eletrolítico do organismo

Bioquímica urinária. O que é e para que serve na patologia clínica veterinária?   Artigos CPT

Se você é médico veterinário ou estudante de medicina veterinária cedo ou tarde terá de aprender tudo sobre a bioquímica urinária. Então, temos aqui uma ótima oportunidade para você ir logo se familiarizando com o assunto e quem vai introduzir o estudo é Waleska de Melo Ferreira Dantas, professora do Curso CPT Patologia Clínica Veterinária.

Segundo o especialista, “A bioquímica urinária permite mensurar a presença de eletrólitos na urina, tendo em vista que os rins também são responsáveis pelo equilíbrio eletrolítico do organismo.”

Os eletrólitos analisados na urina, por sua vez, possibilitam avaliar dois tipos de excreção:


• Excreção urinária fisiológica: normalidade na excreção de eletrólitos.
• Excreção urinária patológica: apresenta desequilíbrio no número de eletrólitos da urina.

Grupo principal de eletrólitos avaliados na bioquímica urinária:


• Sódio.
• Magnésio.
• Potássio.
• Fósforo.
• Cloreto.

O número de eletrólitos presente na urina deve ser comparado com o número de eletrólitos presente no sangue, pois essa é a referência de normalidade e equilíbrio eletrolítico. Desse modo, o médico saberá se o animal está excretando de forma equilibrada os eletrólitos.

Marcadores precoces


Os marcadores precoces de lesão renal são usados, nos dias atuais, para estadiar as doenças renais crônicas. São eles:

• Excreção urinária de creatinina.
• Excreção urinária de proteínas.
• Relação proteína/creatinina urinária (Pu/CrU).
• Excreção urinária de GGT.

A Gama glutamil transferase ou GGT é uma enzima produzida nas células dos tubos renais. Quando essas células são lesionadas, a produção enzimática aumenta e a enzima é liberada na urina. A relação da excreção de proteína e creatinina urinária em conjunto com a avaliação de outros metabólitos sanguíneos e densidade da urina tem sido muito utilizada hoje para estadiar doenças renais precocemente.

Gostou do assunto? Leia mais:


- Vai coletar amostras de sangue animal? Conheça as vias de acesso!

Um pouco mais sobre o que encontrar no Curso CPT Patologia Clínica Veterinária? Assista ao vídeo!


 

Conheça os Cursos CPT da área Medicina Veterinária.
Por Silvana Teixeira.

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!