WhatsApp SAC (31) 98799-0134 WhatsApp Vendas (31) 99294-0024 Ligamos para Você Central de Vendas (31) 3899-7000
Fale com uma Especialista
0

Seu carrinho está vazio

Clique aqui para ver mais cursos.

Como prevenir e tratar a cisticercose bovina

A doença atinge 5% de todo o rebanho que é abatido no país

O controle da cisticercose bovina se baseia em medidas higiênico sanitárias que interrompam o ciclo do parasita.

A cisticercose bovina é a fase larvar do ciclo de vida da Taenia saginata, que em estágio adulto é um parasita intestinal do homem, conhecida como solitária. Água, pastagem e alimentos contaminados são portas de entrada para o animal contrair a cisticercose, doença silenciosa da qual o bovino não tem nenhum sintoma e que só é percebida após o abate.

As verminoses constituem um dos mais sérios e graves problemas de ordem sanitária com que se deparam os nossos pecuaristas. A cisticercose bovina atinge 5% de todo o rebanho que é abatido no país. Por isso, dentre os diversos fatores para o sucesso na produção de gado de corte, a sanidade do rebanho é um item extremamente importante para evitar o aparecimento de doenças que possam comprometer os índices de produtividade.

De acordo com o professor Jackson Victor de Araújo, doutor em parasitologia e coordenador do curso Prevenção e Controle de Doença em Bovinos, desenvolvido pelo CPT – Centro de Produções Técnicas em parceria com a FAZU - Faculdades Associadas de Uberaba, “as medidas de controle devem ser realizadas em função das endemias regionais, do estado sanitário do rebanho, do perfil de sistema de produção e da orientação do órgão de defesa estadual”.
 
O controle da cisticercose bovina se baseia em medidas higiênico sanitárias que interrompam o ciclo do parasita e impeçam que bovinos ingiram ovos do verme. Para isso, algumas medidas devem ser tomadas, como a conscientização dos funcionários, uma vez que o homem é o responsável pela contaminação de água e pastagens, além de impedir o acesso dos animais em locais que recebam esgoto humano e tratamento antiparasitário dos trabalhadores.

O professor Araújo ensina no curso que “a higiene das instalações é um fator de extrema importância na prevenção das verminoses. Os currais e os estábulos são locais onde há maior movimentação dos animais e, consequentemente, grande acúmulo de fezes. Uma situação de muita umidade e grande quantidade de estrume favorece a contaminação dos animais; por isso, para minimizar esse problema, é importante fazer a limpeza diária de currais e estábulos”.

O cuidado contra a cisticercose deve começar assim que os animais chegam ao confinamento, ou seja, antes do abate, o bovino deve receber doses de vermífugo. É importante que o produtor siga a orientação dos veterinários e respeite o período de carência.

Por: Ariádine Morgan

Deixe seu comentário

Avise-me, por e-mail, a respeito de novos comentários sobre esta matéria.

O CPT garante a você 100% de segurança e
confidencialidade em seus dados pessoais e e-mail.
Seu comentário foi enviado com sucesso!

Informamos que a resposta será publicada o mais breve possível, assim que passar pela moderação.

Obrigado pela sua participação.

Comentários

Adriana Veríssimo

29 de ago. de 2017

Gostaria de receber as informações técnicas.

Resposta do Portal Cursos CPT

30 de ago. de 2017

Olá, Adriana.

Agradecemos sua visita e comentário em nosso site. Nossas consultoras entrarão em contato.

Atenciosamente,

Renato Rodrigues.

Últimos Artigos

Artigos Mais Lidos

Fique por dentro das novidades!